Contra o preconceito e a estreiteza de ideias, é fundamental sustentar e desenvolver a capacidade de aceitar, poder dialogar e enriquecer-se internamente com o diferente.

Carta de Princípios do IBPB

Psicoterapia e Psicologia

As emoções: um percurso literário para psicoterapeutas
Michael Heller
Uma conferência de 1991, em que o autor aborda o tema das emoções a partir de um diálogo entre a neurobiologia e a Psicologia Biodinâmica e outras abordagens de psicoterapia corporal.

Reich, Winnicott e a importância dos cuidados na primeira infância
Ilana Fenjves Joveleviths
Este trabalho tem como objetivo inaugurar a possibilidade de uma articulação teórica entre os autores Wilhelm Reich e Donald Winnicott acerca do tema dos cuidados na primeira infância. Inicialmente fundamentarei a validade desta proposta para, em seguida, traçar alguns paralelos entre as ideias dos autores relacionadas ao que eles entendem por cuidados na primeira infância e a importância desta fase da vida e destes cuidados para o desenvolvimento emocional.

Grupo de movimento: uma revisão da literatura
Tânia Alves Nogueira e Paulo Albertini
Com o objetivo de explicitar e discutir as publicações existentes acerca do grupo de movimento, realizou-se o levantamento dos estudos publicados sobre o assunto a partir de buscas em bases de dados em sites científicos, institutos de formação reichiana e neorreichiana e em revistas de abordagem corporal.

Diferencias metodológicas entre el análisis reichiano y el análisis bioenergético
Luis Gonçalves Boggio
Uma elaboração sobre as semelhanças e diferenças entre a clínica reichiana tradicional e as abordagens neorreichianas.

Reich para principiantes
David Mairowitz e German Gonzales
Uma história em quadrinhos apresentando a vida e obra de Wilhelm Reich.

Armadilhas modernas: ressentimento e perdão
Henrique Rodrigues
Neste artigo analisa-se como a sociedade cria aparatos de reprodução da ideologia dominante, e/ou de repressão à livre, e crítica, circulação de idéias e informações. Como o ressentimento, o esquecimento, a anistia e o perdão são articulados no intuito de preservar e conservar o funcionamento operante das representações e regras sociais para sustentarem ou não a continuidade estabelecida.

Wilhelm Reich no Século XXI: de violência a globalização
Carlos Eduardo C. Abrahão
A partir da obra de Wilhelm Reich o autor procura resgatar sua contribuição ao homenageá-lo no cinquentenário de sua morte, observando sua pertinência no atual contexto planetário. O autor avalia que ainda não obtivemos êxito na empreitada de um futuro melhor para as crianças como almejava Reich, evidenciando uma terrível e ressonante peste emocional da humanidade.

Regras para seguir na pesquisa básica
Wilhelm Reich
Este texto, publicado originalmente no Orgone Energy Bulletin – periódico que concentra trabalhos entre 1949 e 1953 – reflete, em parte, o contexto vivido por Reich, sobretudo nos Estados Unidos da América, a partir de 1947.

A sombra da análise bioenergética
Luiza Revoredo de Oliveira Reghin
Numa discussão sobre as convergências e divergências entre a Análise Bioenergética e a Psicologia Biodinâmica, são analisados fatores que podem levar a uma limitação do alcance destas abordagens.

Reich e a possibilidade do bem-estar na cultura
Paulo Albertini
Este trabalho procura investigar as teses reichianas que se contrapõem ao pensamento freudiano de O mal-estar na cultura. Diferenciam-se as posições dos autores a partir das idéias de conflito inevitável (Freud) e de possibilidade de harmonia (Reich).

Educação de educadores: pressuposto psicanalítico ou utopia reichiana?
Sara Quenzer Matthiesen
Este texto visa a resgatar algumas das reflexões freudianas acerca da educação, quer como um pressuposto psicanalítico assentado em textos educacionais de Freud, quer como uma utopia tipicamente reichiana, cuja aposta na possibilidade de profilaxia das neuroses estendia-se pelo campo educacional.

Considerações sobre a técnica: possíveis aproximações entre Wilhelm Reich e Sandor Ferenczi
Bruno H. Prates Almeida
O intuito deste breve texto é o de apresentar, sucintamente, alguns dados históricos que possam esboçar um eixo por meio do qual poderemos articular possíveis aproximações entre o que Reich e Ferenczi propunham no decorrer da década de 1920.

A noção de couraça na obra de Wilhelm Reich: publicações de 1920 a 1933
Bruno Prates Almeida e Paulo Albertini
Este estudo investiga a noção de couraça nos primeiros 13 anos, de 1920 a 1933, da obra do analista Wilhelm Reich (1897-1957), período em que o autor esteve vinculado à International Psychoanalytical Association. A questão norteadora é: qual(ais) o(s) sentido(s) da couraça no pensamento de Reich?

 

O recente lançamento do DSM-5 tem causado polêmica devido à abordagem que o fundamenta. Destacamos abaixo alguns textos que podem ser úteis para aprofundar a discussão sobre este tema:

Precisamos do DSM-5?
Breno Serson
O DSM-5 insere-se na moderna Psiquiatria do cérebro/mente  - que se pretende ateórica a respeito da mente, estatístico-científica, cognitivo-comportamental  - enquanto nosografia descritiva que prescindiria de uma teoria do psiquismo ou de um sujeito humano e corporal a ser ouvido e visto em quanto tal.  Questiona-se todavia se esta Psiquiatria efetivamente ajuda no sofrimento dos pacientes, se ela poderia potencializar o melhor das antigas práticas de bases humanistas e filosóficas que prevaleceram até os anos 70-80 (fenomenologia, psicopatologia, psicanálise, existencialismo, além das abordagens corporais e psicossomáticas).

Manifesto de Barcelona
Por uma abordagem subjetivante do sofrimento psíquico em crianças e adolescentes, não ao DSM.

 

 

São Paulo: 11 3251 2985 | Curitiba: 41 3264 9113 | Natal: 84 9406 9965 | Rio de Janeiro: 21 2517-3035 | Taubaté: 12 3631 7282